sábado, 27 de agosto de 2022

O Sonho de Ícaro

 


Na mitologia, Ícaro o filho mais novo de Dédalo, juntamente com o pai foram mantidos cativos pelo rei Minos na ilha de Creta. A fuga por terra e ou mar era impossível, porque Minos era o senhor das terras e dos mares, o desejo de liberdade motivou Dédalo a encontrar uma solução, e criou para ele e o filho asas gigantes  com plumas sustentadas por cera.

E mesmo que tenha alertado Ícaro  para não se aproximar do sol, ele se empolgou com a sensação de voar, e subiu demais e teve suas asas derretidas e caiu sobre o mar. Uma história tendo como principal objetivo com o sonho de liberdade. A tão sonhada liberdade, quando conseguida, provoca na gente uma onda  de felicidade que em algumas situações nos aproxima do perigo. Perdemos a noção da razão e ignoramos o conceito previsibilidade. A mitologia em si é um berço de conhecimentos para a vida, no entanto muitas pessoas ignoras as sabedorias existentes nos contos mitológicos.

Ícaro teve a oportunidade e condição de ganhar a sua liberdade, no entanto seu espírito aventureiro foi maior do que a sua prioridade, e se assim não tivesse acontecido, jamais teríamos essa grande lição sobre o perigo de ignorar as possibilidades existentes, sejam elas prós ou contras. Na vida levantamos voos com os mais variados destinos, sejam eles curtos ou longos precisamos traçar planos que nos ofereçam realizações com segurança. Sabemos que mesmo com muito planejamento e cuidado, jamais estaremos isentos da imprevisibilidade, e essa por si é detentora de muitas frustações.

Voar e ter a convicção limites possíveis, quando vamos além dos limites no mundo aventureiro e imprevisível.  Esses limites são construídos de forma gradativa, um maratonista começa com pequenas corridas até chegar a uma São Silvestre, conhecer limites não é ser limitado. Se pudéssemos unir a inteligência de Dédalo e a coragem de Ícaro, voaríamos longe e seguro. Impossível não é, mas serão poucos que farão o sacrifício de tentar.


A.L.Bezerra

sábado, 6 de agosto de 2022

Barracão Literário: Era uma vez

Barracão Literário: Era uma vez:   Era uma vez, geralmente os contos começam assim, e quando surgem os primeiros sorrisos, o contador de histórias é recompensado pela atençã...

Era uma vez

 


Era uma vez, geralmente os contos começam assim, e quando surgem os primeiros sorrisos, o contador de histórias é recompensado pela atenção dos expectadores. As crianças é com quem devemos ter um cuidado ao expor as nossas palavras, são verdadeiros bancos de memória em expansão. Eu muitas vezes já precisei alterar alguns trechos de histórias onde aparecem palavras depreciativas, e mesmo que na época quando foram escritos não apresentassem sentido insultuoso, hoje já é bem diferente.

Possivelmente a sutileza de algumas mensagens em muitas histórias, atualmente não seja adequado ou muito menos necessário, e acontece também erros primários de interpretação, que podem trazer transtornos. Um contador de histórias precisa de sensibilidade para entender quando seu conto está interessante, olhar nos olhos dos expectadores, e fazer com eles se interessem.

Eu possuía um hábito de contar histórias para as minhas filhas, eu trabalhava em um shopping e na maioria das vezes chegava em casa depois das vinte e três  horas, e elas ainda estavam acordadas me esperando. Depois de tomar banho e jantar, me sentava entre as duas camas e inventava as histórias, nunca gostei de contas as que estavam em livros de contos, usava a criatividade criando personagens. O interessante é que muitas vezes elas pediam determinadas histórias, eu um pouco cansado encurtava o conto, e elas me alertavam que estava faltando tal parte da história.

Hoje invento contos para o meu neto, e as vezes ele fala ao meu ouvido implementando algum personagem ou roteiro, e se as minhas filhas ainda lembra dos meus contos, ele quando crescer também vai lembrar. Esse post tem como principal objetivo guardar alguns costumes os quais se eternizarão no tempo. Mesmo com muito trabalho, stress, rotinas, cansaço, que as pessoas encontrem tempo para a família, ela continuará sendo o nosso maior patrimônio.

Encontrem tempo para contar histórias, ler um livro, cantar uma canção, sentar no chão e brincar, o tempo voa, mas as nossas lembranças ficarão guardadas por muito tempo. Não sinta vergonha da fazer caretas para colher sorrisos, sendo criança ocasionalmente, e depois seremos agraciados com a magia da felicidade, um dia qualquer alguém vai lembrar da gente e falar uma vez...

A.L.Bezerra

sexta-feira, 5 de agosto de 2022

Barracão Literário: Kindle, uma biblioteca na mão

Barracão Literário: Kindle, uma biblioteca na mão:   Kindle, uma biblioteca na mão, lógico que o cheiro do livro físico é algo incomparável, no entanto a tecnologia chegou para facilitar, e a...

Kindle, uma biblioteca na mão

 


Kindle, uma biblioteca na mão, lógico que o cheiro do livro físico é algo incomparável, no entanto a tecnologia chegou para facilitar, e aumentar as nossas opções de conforto e praticidade. Sabemos que nem todos os leitores(a) por motivos pessoais ou financeiro, tendem a manter a tradição do livro impresso, mas o livro digital também oferece grandes vantagens.

Uma delas é ter não mãos uma mini biblioteca, férias, viagens longas, não se torna confortável colocar muitos livros na bagagem, e ler é parte do entretimento para adquirir conhecimento, nesses casos o Kindle é uma excelente opção. Outro benefício se faz presente na hora da leitura, as vezes lemos no quarto durante a noite, e mesmo que a gente utilize uma iluminação adequada, a luz poderá incomodar quem estiver com a gente, a maioria dos Kindle têm tela com iluminação ajustável o que facilita a leitura e não traz desconforto a quem estiver próximo.

O livro digital pode ser baixado na maioria das vezes com gratuidade, lógico que é precisa de planos de assinatura adequados ao bolso de cada cliente, mas não deixa de ser uma grande vantagem ou economia. Enfim, toda tecnologia quando bem administrada por quem usa, pode ser benéfica, falam muito sobre a dependência digital, mas esquecem que qualquer coisa com uso excessivo causa desconforto, para que isso não venha a acontecer, precisamos de controle.

O Kindle é um convite a leitura, se acessamos várias vezes as redes sociais, lemos muita coisa que não agrega nenhum conhecimento, porque ignorar a possibilidade de ler um livro digital? A leitura não é apenas um berço de sabedoria ou entretimento, coloca o nosso cérebro em atividade, renovando nossas células, e consequentemente prolongando a nossa saúde. Faça uma experiência adquirindo modelos mais acessíveis, mais nunca se distancie da tecnologia, E mesmo que compre os modelos mais avançados, nunca esqueça do livro físico, se por acaso o Kindle descarregar, vamos folear e sentir o cheirinho do papel.

A.L.Bezerra

sexta-feira, 29 de julho de 2022

Barracão Literário: Dragão do Mar

Barracão Literário: Dragão do Mar:   A história, como na maioria dos filmes, é feita de heróis e vilões, a escravidão pode  ser considerada o vilão mais aterrorizador entre to...

Dragão do Mar

 


A história, como na maioria dos filmes, é feita de heróis e vilões, a escravidão pode  ser considerada o vilão mais aterrorizador entre todos os que existem. Mas nunca faltou nem faltará heróis para lutar pela liberdade para devolver aos escravizados a dignidade de viver livre.

Francisco José do Nascimento, o Chico da Matilde como era conhecido, homem simples que vivia da pesca, se destacou pela sua coragem e bravura na luta pela libertação dos escravos. O pescador nascido em canoa quebrada, Aracati, é um personagem marcante do movimento abolicionista do estado do Ceará. Liderando um movimento entre os jangadeiros, o de não transportar mais escravos de uma região para outra, lutando pela liberdade.  Devido ao seu ato de bravura, o Chico da Matilde recebeu do poeta abolicionista José do Patrocínio, o apelido de dragão do mar, realmente um verdadeiro dragão lutando com dignidade e bravura.

Mesmo que através de movimentos, lutas, e vidas sacrificadas, tenhamos conseguido vitórias importantes, ainda precisamos que apareçam  muitos Chico da Matilde para lutarem por liberdade. Não são somente correntes e grilhões que nos prendem, liberdade está muito além do corpo físico, por isso a importância de conscientização e consciência dos valores humanos. Somos um oceano de emoções, e quando ferem a nossa alma, nos acorrentam.

Alguns encontram forças para gritar e pedir ajuda, outros morrem em silêncio. É necessário um movimento de valorização da vida, e que os vilões aos poucos tenham consciência de que a dor é universal, e precisamos nos libertar de correntes invisíveis  que minam a nossa vontade de viver, que o dragão do mar continue vivo na luta pela liberdade.

A .L .Bezerra


 

#Quanto tempo você tem?